quinta-feira, setembro 29, 2005

Metal Gear Solid 3 - Snake Eater


Como um belo viciado desse jogo desde que surgiu, em 1987 para o MSX, exceto a versão para o NES o qual nunca joguei–não podia deixar de poder jogar esse último, o MGS3 Snake Eater do PS2.

Para minha sorte, minha irmã comprou um PS2 para meu sobrinho Lucas. Até então imaginava quando é que eu viria a jogar esse jogo algum dia. Não iria comprar um PS2 só para isso. Ter esse videogame não me anima muito, jogos atuais não me atraem tanto como nos bons tempos de MSX. Cheguei a ver esse jogo na casa de um conhecido distante. Mas não cheguei a jogar, não estava afim nem de sentir 'cheiro' para depois ficar passando vontade de jogar e não poder.

O Metal Gear para MSX, o primeiro da saga não é o tipo de jogo que podemos chamar de hipnótico, mas mesmo para época era inovador no seu estilo. O choque foi com o Metal Gear 2 Solid Snake em 1990. Comprei o cartucho original enquanto estava no Japão em 1992 e enviei pelo correio para cá. Meu irmão quem jogou "sofrendo", o jogo é em japonês e ele mal sabia ler. Jogou na base da "força bruta". Quando empacava, fazia de tudo. Eu já o terminei algumas dezenas de vezes.

O segundo choque foi com Metal Gear Solid do PS1 em 1998. Peguei emprestado de um primo meu, comprei o jogo e joguei, joguei muito, até terminá-lo. Muito bom. Depois saiu a versão para PC e pude jogar com mais calma...:)

Em 2001 saiu o Metal Gear Solid 2 - Sons of Liberty para PS2. Nunca vi o jogo até aparecer a versão para PC, sendo levemente modificada onde ao invés de chamarem de 'Sons of Liberty' era 'Substance'. Baixei e pude jogar no computador. Terminei algumas vezes em diferentes níveis.

Agora foi com o MGS3 - Snake Eater. Ao contrário dos outros cujas seqüências são cronológicas, esse volta no tempo, na década de 60 sob o contexto da Guerra Fria, e no território da URSS. Como de praxe Solid Snake irá confrontar-se com inimigos, animais e insetos ( até as aranhas e cobras picam e te envenenam! ). Chefões e etc. Uma coisa engraçada é o fato de que se vc encerra o jogo depois do Snake morrer, aparece: Time Paradox. Realmente com a morte dele, uma vez que o jogo acontece no passado, gera um paradoxo temporal para os jogos anteriores que acontecem no futuro. Um outro fato é que se você mata mortalmente um deles, o Revolver Ocelot enquanto desmaiado logo no início, o jogo também encerra, pois como ele está no futuro, ele não pode morrer, senão o paradoxo se estabelece novamente. Isso quem descobriu foi Lucas, quem jogando a ermo e sem objeito, sai matando todo mundo que encontra pela frente, e ele comentou a respeito outro dia...Eu dificilmente descobriria isso 'à toa'. Pudera, como não entende o inglês do jogo, joga de qualquer jeito hehehe.

Uma diferença também está na forma de recuperar energia, ele recupera aos poucos e a rapidez dela varia conforme o nível logo abaixo dela, de histamina; assemelhando-se como disposição, algo do gênero. Para aumentá-la, tem que comer comida, existem poucos 'Rations' no jogo. Em troca, como Snake encontra-se na selva, ele tem que se alimentar de animais silvestres, geralmente coelhos, cobras, ratos, peixe, entre outros. Tão logo se esfaqueia ou atira em algum deles, eles se transformam em comida para ser guardado e ser utilizado depois. A parte engraçada é quando vai comê-los, Snake comenta o sabor, dizendo ruim ou bom, incrível, péssimo e até mesmo podre. Deixando passar fome, o estômago dele começa a roncar alto chamando a atenção dos sentilelas do jogo, não podendo assim deixar cair a níveis baixos.

Não vou escrever mais uma vez que a internet está repleta de comentários a respeito. Seria repetir o que já tem escrito. Claro não seria demais fazer a minha, entretanto prefiro ater a detalhes pouco citados.

Uma dúvida deve pairar para quem é fã da série e ainda não pôde jogar: como Solid Snake foi para o passado? Máquina do tempo? Distorção temporal? Snake nunca envelheceu? Nada disso. Não vou fazer spoiling, mas afirmo que há uma lógica, um detalhe que não foi citado a respeito dele. Sim, ele envelhece e seu personagem sofre uma desfiguração no MGS3 que irá permanecer...Vou limitar a dizer isso, quem quiser realmente saber que vá jogar! :-P

domingo, setembro 11, 2005

Minha Ignorância com Windows



De tanto que deixo o uso do Windows de lado, estou acabando por me tornar mais um entre os ignorantes deste sistema, no caso em específico, o Office. Só não sei se fico com orgulho ou com raiva disso. :P

Enquanto eu arrumava um crash de um computador, uma usuária me perguntou da melhor forma de se fazer alguns "truques" no Office. Respondi que iria tentar mesmo reclamando um bocado e retrucando do Windows.

Sei que a maior parte dos recursos avançados do Office são usados por raros usuários. Muitos perguntam se eu sei mexer no Access, sempre respondo negativamente, fico com raiva quando não acreditam em mim.

Para voltar a "manjar" melhor dessas coisas, novamente, vou instalar o OpenOffice aqui e reaprender as coisas. :P

segunda-feira, setembro 05, 2005

Rastro do Furacão Katrina

Impressiona-me a fragilidade do ser humano ante o poderio da natureza. Mesmo o país supostamente mais poderoso do mundo colhe a destruição de um fenômeno contra qual nada podemos fazer.

Pelo menos houve aviso de sua vinda, e a magnitude que chegou a ter. Infelizmente nem toda a população foi evacuada. Uns por desacreditarem no exagero do alerta, outros pelo medo de se perder os bens materiais que foram resultado de anos de trabalho, quer pelo furacão ou por ladrões, e mais alguns por estarem desprovidos de meios de fuga.

A maioria pelo menos pôde fugir, evitando-se uma tragédia ainda maior. Contudo uma tragédia ainda estava por vir. A cidade de Nova Orleans localiza-se a um nível abaixo do lago Ponchartrain e o Rio Mississipi, diques seguravam suas águas de invadir a cidade. Isso somado ao fato da cidade estar em uma conhecida rota dos furacões. Incrível essa calamidade não ter ocorrido antes. Bom não preciso dizer que eles romperam e inundaram a maior parte da cidade.

Mais isso ainda não foi o suficiente: a inércia do governo atrasou um plano de emergência para o salvamento das vítimas ainda no local. Isso porque supostamente deviam estar preparados para quaisquer forma de calamidade que pudesse acontecer por causa do onze de setembro. Mas não estavam preparados para um desastre para o qual não se pode culpar a não ser Deus, São Pedro(ele controla o vento também?) ou a Tempestade dos X-men.

Para piorar um tornado passou no sul do Brasil e castigou algumas cidades do RS, outro passou na ilha de Formosa...

Eu me pergunto, em que medida esses fenômenos naturais são resultados ou não no excesso de interferência da civilização na atmosfera. Efeito Estufa etc...Vai lá saber.