terça-feira, março 13, 2007

Impaciência no Onibus e Metrô

Ontem fui em uma localidade distante da cidade onde vivo, São Paulo. Tive que tomar o ônibus e metrô em longos trajetos. E observei um fator relacionado à impaciência que me acometeu: o modo diferente como a enfrentamos em cada caso.

Decerto cada um poderá ter uma observação diferente do que percebi, principalmente os que utilizam de automóvel próprio para sua locomoção. Porém creio que minha impressão possa ser comum com a maioria dos que se valem dos coletivos para o transporte em longas distâncias.

Notei aquilo que pode parecer óbvio para muitos, mas que eu nunca detive a atenção como aconteceu comigo hoje. Os aborrecimentos em geral dentro de um ônibus são muito melhor tolerados comparados com o metrô. Claro, o primeiro sofre de muito mais adversidades pelo caminho que o segundo. Sabendo disso, admitimos uma diferenciação para cada um. Incluindo-se também casos que possam gerar pânico, muito mais acentuado no metrô especialmente nos trechos em que trafegam em subsolo, e em via elevada, em grau menor. A previsibilidade do metrô nos incute uma certa segurança que nos faz inflexíveis uma vez nele.

Eu poderia fazer uma extrapolação das mais diferentes formas e aspectos do que estou escrevo. Um exemplo? Nosso comportamento dentro de um avião onde sabemos que estaremos confinados e limitados. Outro? Submarino! Elevador parado! Cada um pode elaborar um comparativo que queira, sem fim.