quinta-feira, janeiro 05, 2017

Niilismo Político

No texto de ontem afirmo torcer pelo dirigente presidencial que tivermos, quer esteja tomando decisões certas ou erradas. Ele está lá, e eu aqui.

Os três poderes ajudam-no ou não, muito mais pautado pela conveniência de pequenos grupos ou pior pelo interesse individual invés de ser pelo interesse geral da nação, como deveria ser. Vide o caso do ministro que caiu por usar "influence peddling" visando facilitar a construção do prédio onde adquiriu um dos apartamentos que viria a ser erguido em um lugar indevido, a chegar ameaçar o outro ministro que pediu renúncia por recusá-lo, para reverter o imbróglio do edifício. Contava que esse baixaria a cabeça e obedeceria, pensou errado, sabia do risco, mas o costume desde o período imperial fora um da hierarquia menor ceder ao maior.

Torço pelo mandato atual porque mesmo que esteja contra minha vontade, pouco posso fazer. Um pensamento niilista esse que tenho. E participar de manifestações? Entrar para um partido político? Tornar-me um político?

Mudanças heterodoxas sempre tiveram resultados imprevisíveis e ruins. O atual PEC do presidente atual também o é. Ele é um Plano Cruzado do orçamento, mas deixou intocado a política do pagamento de juros de dívida pública, claro ele foi planificado por ninguém mais que um ministro oriundo do mercado financeiro. Concordo que há necessidade de mordaça nos gastos públicos. A dívida pública galopante cresceu por causa dele, assim como os juros para pagá-lo. Certamente se o próximo mandato for da oposição, haverá um outro PEC de retificação desse que fora aprovado.

Torço pelo mandatário atual porque ser do contra atrasa nosso país pois entramos em compasso de espera pela vinda nas próximas eleições, ou seja só em 2018. Como leio algures, "Cada país tem o governante que merece."

Nenhum comentário: